Conhecendo o Ernesto Cafés Especiais

Uma das coisas que eu mais detestava quando morava em Brasília era a falta de locais bacanas para visitar, tomar um café e trocar uma ideia. Confesso que fiquei chocada ao voltar lá, nove anos depois, e me deparar com uma cidade que virou um polo gastronômico hipster. Nunca, nos meus sonhos mais ousados, eu imaginaria isso. Mas não dei conta de visitar todos os lugares bacanas que vi nos dias que passei por lá. Porém, dos que visitei elegi meu favorito: o Ernesto.

E pra vocês entenderem o quanto eu amei, eu visitei as duas unidades: a da 115 sul e a da 108 norte. Particularmente, achei a da asa sul mais aconchegante – no segundo andar tem tipo uma mini livraria que da um ar muito tranquilo pro ambiente. Fora que o atendimento foi bem melhor e meu atendente soube me explicar muito bem sobre os grãos disponibilizados na casa e os métodos de preparo oferecidos.

Como cheguei primeiro que todo mundo, só pra variar um pouco haha, pedi uma prensa francesa pequena com o grão da casa e um pain au chocolat que eu fiquei tão sedenta pra provar que esqueci até de tirar a foto. Perdoem a chocólatra aqui. Inclusive, muito deliciosa a massa porém um pouco mais de chocolate não faria mal a ninguém.

Depois, resolvi experimentar o menu de degustação de cafés: eles extraem o mesmo grão de formas distintas para você experimentar e notar as diferenças entre os métodos. Se eu não me engano, existem três variações e eu escolhi a que vinha o café coado e um espresso. Eu não sou das maiores fãs de café coado (falei!) mas esse estava divino, talvez até melhor do que o espresso. Para acompanhar, quis experimentar o brigadeiro vegano mas eles estavam sem e eu acabei optando pelo tradicional (que pasmem, também esqueci de fotografar). Achei bacana que eles usam um cacau bem puro (se bobear é 100%) e o brigadeiro não fica enjoativo. Muito bom.

Eis que, um dia depois, lá fui eu de novo. Na outra unidade, da asa norte, pra tomar café da manhã. O ambiente é bem mais relax do que o outro e achei que combinou com o meu momento brunch no final de semana – se eu tivesse bebendo uma mimosa poderia até jurar que estava num episódio de Sex and the City. O atendimento pecou e se eu não conhecesse a casa acho que não teria tido uma impressão tão boa. Minha atendente não sabia me explicar nada do menu e tudo que pedimos demorou horrores mesmo com a casa não tão cheia.

Nesse dia eu fui com fome e olha, quanta variedade de comida que esse lugar tem. Eu que nem sou uma das maiores fãs de café da manhã fiquei impactada. Pra começar leve na cafeína, pedi um chai que tranquilamente pode encabeçar a lista de chás mais gostosos que já pedi. Tinha opção de leite vegetal mas não tinha leite de amêndoas – fica aí minha única reclamação. Minha prima pediu um cappuccino  e eu vou até postar a foto aqui também porque eu adoro exaltar baristas que fazem latte art. Meu sonho de princesa aprender, vocês não iriam aguentar meus stories no Instagram.

cappuccino

babem nesse chai comigo

Como um belo cliché que sou, esqueci de fotografar as comidas mas pedi um brioche recheado (divino!), um café coado e um brigadeiro porque fiquei bem apaixonada sim. Não sei quando voltarei a Brasília, mas tenho meu novo cantinho favorito (conseguiu conquistar o lugar do Daniel Briand – que pra mim tem o melhor croissant desse país). Ernesto, abre uma filial aqui em SP – nunca te pedi nada!